[RESENHA] As Vantagens de Ser Invisível – Stephen Chbosky

as_vantagens_de_ser_invisivel_1361023117b

Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras – são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.

ISBN-13: 9788532522337
ISBN-10: 8532522335
Ano: 2012 / Páginas: 224
Editora: Rocco Jovens Leitores

Opinião do L. J. Lunewalker

“Eu me sinto infinito” (Charlie)

Caramba, caramba, caramba.

Eu decidi que tinha que ler essa obra quando fiquei sabendo que ela existia. Já tinha visto o filme, já tinha visto algumas vezes, na verdade. Por um bom tempo enrolei para começar a ler, não sabia exatamente o que esperar do livro. Que bom que eu o li.

Em uma narrativa de cartas conhecemos Charlie, o nome que ele usou para assinar suas cartas para um amigo que nunca conheceu, mas que foi uma parte muito importante de seu primeiro ano no colegial. O ensino médio pode ser estranho para algumas pessoas, mas Charlie aprendeu a lidar bem com seu primeiro ano. Amigos, família, namoros.

Eu gostei bastante da narrativa por me lembrar de Drácula, de Bram Stoker, que era narrado em diários. Cartas assim também me parecem diários, ainda mais quando estão reunidas. Conhecemos uma vida adolescente de pessoas como nós, pessoas que passaram por momentos complicados da vida. A própria adolescência é algo confuso, cheia de emoções e dúvidas, cheia de problemas e prazeres. Acho que às vezes nos esquecemos de como é passar por esses anos.

É uma história cheia de emoção, acho que isso pode definir a obra de Chbosky.

Os segredos que Charlie guardava, até mesmo dele, eram tão pesados. Tão fortes. Acompanhando seus dias de invisibilidade diante do mundo aprendemos que há bem mais do que ser apenas um amigo, apenas um ombro. Participar. Era o que ele queria, o que ele precisava, mesmo que ele não soubesse disso na época.

Eu acho que esse livro acabou se tornando um dos meus favoritos. Sinto que aprendi mais sobre a vida enquanto lia. Fiquei… Ah, não há bem como descrever isso. Acho que o meu prazer de ler as cartas de Charlie foi tão grande que deixei que a leitura demorasse mais do que o esperado. Duas semanas lendo sobre a vida do rapaz. Vivenciando com ele e seus amigos, Patrick, Sam, Bill, Bob, sua família. Eu me senti ali. Me senti junto deles.

05

Quantos de vocês já se sentiram infinitos?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s